A região de Coimbra tem muito mais

Domingo, dia 28 de maio de 2017. Voltamos a Conimbriga e desta vez temos mais uma pessoa. A Maggie, esposa do Fabio que aproveitou o domingo e veio pedalar com a gente. Uma surpresa agradável pois ela é muito querida. Amizade à primeira vista.

Depois de ver toda aquela maravilha ontem, entramos no museu para saber mais da história da cidade romana. Em seguida partiríamos para um pedal, agora em dois casais, para conhecer mais um pouco a região, mas antes, uma pausa no agradável café do Museu.

Fabio e Maggie

Por ser estrada, seguimos de carro até Alcabideque onde paramos para conhecer uma nascente da época do Império Romano.

Seguimos mais um pouco de carro até Furadouro onde descemos as bikes e iniciamos um pequeno pedal bem tranquilo de 7k, para conhecer as Buracas. O que seriam as Buracas? O Fabio fez um grande suspense. Valeu a pena. Lugar lindo com formações de grutas conhecidas como Buracas do Casmilo. Formações geológicas muito interessantes. Não dá para chegar até elas de bike. A partir de um certo momento seguimos a pé morro acima, para entrar nas Buracas. Muito interessante o passeio.

  Chegando de bike, a primeira vista das Buracas.

Voltamos com os olhos cheios, o coração feliz e o estômago gritando pois já tinha passado a hora do almoço. E aí veio mais uma surpresa muito interessante. Fabio e Maggie nos levaram a um restaurante na estrada e nos apresentaram a um prato muito típico da região. Tão regional que tampouco muitos portugueses nunca ouviram falar. OSSOS. Não tiramos fotos pois na verdade não é nosso forte ficar fotografando comida e na enorme curiosidade e fome, nem nos lembramos, mas com certeza comemos com imenso prazer e vale contar a história desse prato. Vamos lá: Muito tempo atrás, uma região muito pobre, as famílias criavam porcos para vender a carne e claro, ao cortar e separar os pedaços, retiravam os ossos que sempre ficavam com uma pequena quantidade de carne. Esse ossos eram cozidos por tempo suficiente para que essa carne quase se soltasse e esse cozido era a alimentação da família. Há quem não goste, mas nós comemos e repetimos. É incrível.  O acompanhamento foi o queijo Rabaçal, absolutamente maravilhoso.

Mas o dia não acabou aí. Bem alimentados, subimos a Serra de Lousã de carro, não ia dar tempo de ir pedalando e uma provável chuva nos afastou da ideia. Lá em cima pegamos as bikes e fomos conhecer as ALDEIAS DE XISTO, tão famosas.

Foi pura diversão e cultura. Os dois sabem muito sobre toda a região. Pedalamos uns 10k com subidas, descidas um pouco fortes, e conhecemos algumas vilas, entre elas Talasnal, a que mais nos impressionou. Lá tomamos um chá em um bar dentro de uma das pequeninas casas penduradas nas encostas. Aqui nesse espaço não dá para falar tudo. Pesquisem no Google e vejam a maravilha.

Ao final do dia, depois de uma fina chuva e a temperatura caindo um pouco, veio o presente da Jussara. O tão esperado arco-iris.

Foi um “pedalzinho” 10k. Passeio lindo. Região linda. Pessoas lindas. Obrigado Fabio, obrigado Maggie. Saudade.

 

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s