Ora pois, muito giro 2

Dia 08 de maio, segunda-feira, fomos fazer city tour  de bike por Viana do Castelo. Esta é a Praça da República com edificações de várias épocas. Séculos XV, XVII e XVIII.

A Igreja da Misericórdia que fica na praça é uma das mais lindas de Portugal, segundo o “Guia Juju” de igrejas. Subimos Monserrate onde também tem o Santuário de Santa Luzia. É uma bela pedalada até lá. Só subida. Nesse dia pedalamos uns 25k., mas a subida fez parecer 50k.Lá também tem ruínas dos primitivos habitantes da região. Os Celtas.

Ruínas Celtas.

Um arco íris surgiu para a alegria da Jussara.

Voltamos ao centro da cidade pois nos indicaram uma confeitaria onde se fazem as Bolas de Berlim mais incríveis da região. Bola de Berlim é o nome do nosso conhecido sonho, aquele doce de padaria com um creme amarelo dentro, delicioso, mas que aqui em Portugal, na Confeitaria do Natário é servido quentinho, exatamente às 5hs da tarde. Tem fila para comprar e para comer tomando um cafezinho expresso.

 Dia 09, amanheceu ameaçando chuva e fomos almocar à pé. É meu plantão GM e não posso ir muito longe. Na verdade às vezes nem posso ir até a esquina. Repetimos a Tasquinha da Linda. Delicioso.

 

Dia 10, quarta-feira, amanheceu chovendo forte e resolvemos ir até Barcelos, onde tem uma lenda sobre o galo que é o símbolo de Portugal. Existem várias versões. Vou resumir uma delas: Conta-se que um viajante, peregrino, ao passar por Barcelos ficou em uma pensão de uma mulher muito bonita e fogosa. Ela se apaixonou pelo cara, mas ele não quis saber dela. Mulher rejeitada é um perigo. Ela escondeu entre as coisas dele uma jóia ou objeto de prata e o acusou de roubar. Levado para diante do juiz, este estava em casa almoçando comendo um galo. O magistrado o condenou a morrer na forca e ele ao ouvir a sentença disse que não era culpado e que sua inocência seria provada por aquele galo que estava sendo degustado pelo juiz. O galo cantaria e provaria o que ele dizia. Por coincidência e sorte, o nó da corda da forca não estava bem feito e o peregrino escapou e juram que o galo cantou. Esse galo virou o símbolo da cidade e acabou por virar o símbolo de Portugal. 

 

Dia 11, quinta-feira, continuou a chover. Resolvemos então ir de carro pela costa até Valença, na divisa com a Espanha. Deveria ser de bike, mas…chovia, chovia. Passamos por várias praias e chegamos a Caminha e logo depois Valença, onde almoçamos. A cidade é toda cercada por muralhas e que ainda estão preservadas. É lindo.

Entrada de Valença, a parte da cidade cercada por muros.

Até a volta Viana do Castelo. Esperamos voltar como os velhinhos da foto abaixo e de bike. rsrsrsrrs

Dia 12, sexta-feira, os planos eram ir até a cidade do Porto de bike, mas a chuva novamente impediu. Fomos de carro. Contratamos um transfer e lá fomos nós para mais uma etapa do Juma 5000.

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s